Seguidores

Mensagem e Lembrete

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Hoje, dia 23.01, continuaremos dedicando à memória de Carol, editando uma série de mini crônicas denominadas Amor, Bondade, Alegria e Amizade.

Permanecemos com as mensagens da Ingrid :

Por Ingrid Gomes

"Assim que cheguei ao Santa Cecilia em 2004, conheci várias pessoas, uma delas foi a Carol. O tempo foi passando e cada vez mais ela se tornava uma pessoa especial para mim até que ela se tornou uma irmã onde sabia que podia confiar plenamente. Passamos por muitas coisas juntas: alegrias, tristezas, erros e acertos, aprendizados...Em 2010, sabia que ela tava doente, mas não pensei que fosse algo sério, pensei que ela já estaria bem logo. No final do ano, ela não pode dançar no festival, a gente continuou se falando; no dia 5 de janeiro, falei com ela normalmente, a convidei para sair, mas ela disse que não queria, havia ganhado a cachorrinha, disse também que estava tudo bem, mas ainda estava doente. Depois disso não tive mais contato, até que no dia 15 de janeiro, eu entrei no computador, vi o Orkut dela...E vi mensagens dedicadas a ela...Demorei muito tempo para acreditar, depois de um tempo, eu comecei a entender. Até hoje a Carol tem lugar no meu coração, onde permanecerá para sempre: as boas lembranças, os bons momentos...Simplesmente tudo que vivi com ela.

"A vida me ensinou a dizer adeus às pessoas que amo, sem tirá-las do meu coração" Charles Chaplin

"Há pessoas que nos falam e nem as escutamos, há pessoas que nos ferem e nem cicatrizes deixam, mas há pessoas que simplesmente aparecem em nossas vidas e nos marcam para sempre" Cecília Meireles

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


alegria

alegria
arte: prodigiosdoamor.blogspot.com

amizade

amizade
arte: rebecaamorim.blogspot.com

Bondade

Bondade
arte: padom.com.br

Amor

Amor
Arte: flores.culturamix.com

Visite os Livros Virtuais e leia os textos!

Visite os Livros Virtuais e leia os textos!
Espaço das Bonecas: Desenho Juliana, aos 10 anos. Quem tiver a sua história e desenho, mande pra o blog.

Filosofar! (I)

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Filosofar! (I)

Crônica da Semana: 14 a 20.08.2011

Será que dá para discutir filosofia num shopping?

Aproveitando um fim de semana especial, em que na segunda-feira um irmão estaria defendendo tese de doutorado em Medicina, foi possível revisitar a capital brasileira, Brasília, sob a ótica de uma das filhas, a qual não conhecia ainda a cidade.

O sábado foi cheio, desde logo de manhazinha, na chegada ao aeroporto até estacionar para o lanche, antes do boliche, às sete da noite, num shopping, próximo a uma das cidades satélites da capital.

Primeiro um belo café da manhã na casa do irmão doutor, com direito a pão de queijo feito pela D. Neném, o que já pagou a viagem. Depois, ao lado também dos pais – que vieram igualmente para assistir à defesa de tese -, um belo passeio pelo Lago Sul, visita a ermida Dom Bosco, idas e vindas pela ponte JK, Palácio da Alvorada e almoço num dos grandes restaurantes com comida regional.

À tarde, agora somente pai e filha, sob um sol escaldante, várias paradas no eixo monumental: Congresso Nacional, Catedral, Torre de TV (ainda bem que a filha não quis subir à torre), fonte da Torre, e só - por desejo da filha, é claro.

Depois, de volta ao lago, uma breve visita ao Pier 21 e ao Pontão, e já à tardinha não teve jeito de não ir bater ponto no Parqshopping (no Guará) e para satisfação da filha comer um MacDonald.

Após aboletar-se numa mesa, aguardando a filha que estava na fila do sanduiche, o dia estafante não diminuiu a percepção do olhar e ouvido atentos. Na mesa ao lado, filho (quase 20 anos) e mãe (pouco menos de 40) conversam. O filho fala de filosofia.

Não se ouve os nomes de Sócrates, Platão, Aristóteles ou outros e muito menos alguma coisa sobre a leitura de “O mundo de Sofia” ou sobre as perguntas e expectativas de respostas que o ser humano sente também tanta necessidade além de se alimentar, tais como: Quem somos? De onde viemos? Por que vivemos? Mas, no entanto, é perceptível compreender que a conversa permeia esse universo: a terra é um planeta insignificante no universo; se formos considerar outras galáxias, nós somos um grãozinho de nada; por que então tanta guerra, tanta necessidade de ser o maior?

Na chegada da filha à mesa, um comentário: eles estão falando de filosofia! O “dar de ombros” da filha é como um balde de água fria naquele dia longo, mas desperta para a realidade do que talvez sempre aconteça quando se fala em filosofia: “e daí?”. Assim, nesse contexto, vem à mente aquela pergunta colocada no início da crônica.

Certamente, na média, a resposta à pergunta seria: “ora, filosofia barata se discute em qualquer lugar, até mesmo num shopping”, como algum amigo falou há muito tempo atrás, quando o assunto permeava nosso bate-papo semanal.

De fato, por que um local poderia ser empecilho para se conversar sobre um tema tão importante para a humanidade?

A imagem do filho conversando com a mãe sobre questões filosóficas, no burburinho de uma sala de alimentação de um shopping de uma cidade satélite de Brasília, ao sabor de um macdonald, possivelmente usando uma bermuda, camisa e tênis com a logo da Nike, com um telefone “xing ling” – importado – da China ainda provoca reflexões.

Alguma coisa parece não estar combinando direito!

Alci de Jesus

Coméntario

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Texto III: A menina que não gostava de ler – Parte Final

Aquelas palavras da história que meu tio estava contando mexeram com alguns dos netos de meu avô que estavam meio com cara de Mona Lisa, na sala. Outros nem ligaram. Algumas pessoas são assim mesmo, não ligam para o que os adultos contam e, às vezes, uma repreensão entra por um ouvido e sai pelo outro.

Não sei mesmo o que é que os adultos acham tão interessante num jornal, que todo dia, bem cedinho, têm que buscar o jornal e ficar quase meia hora, folheando, folheando. Meu pai fica, às vezes, no banheiro, outras no gabinete ou, então, na sala. Minha mãe lê até os classificados. Meu pai, às vezes, brinca com ela:

- Tu lê até anúncio de emprego! Por que?
- Ué, pode ser uma coisa boa pra alguém que eu conheça.

 Acho que os outros que se sensibilizaram com a história que meu tio estava contando também devem ter pensado sobre o que acontece em suas casas. Tudo quanto é pai ou mãe, professores e os adultos em geral, gostariam que os filhos lessem mais. Ficam enchendo a nossa cabeça com livros e sua importância. De repente, tem mesmo algum valor a gente fazer isso.

Meu tio já estava finalizando a história. Ele contou que a menina que não gostava de ler ficou com aqueles pensamentos, e pensando nos amigos, buscou o texto que havia deixado de lado e procurou ler com atenção. Ela percebeu que aquela primeira frase era muito importante: leia o texto até o final. Daí ela não se importou com as tarefas que o texto mandava fazer e ao fim do texto teve uma grande surpresa, porque a última frase dizia: esqueça todas as tarefas, se levante, e diga “Eu gosto muito de ler e sei interpretar o que está escrito”. E ela fez o pedido e só ela ganhou o prêmio.

É, realmente, todo mundo achou a história interessante. Mas, na verdade, não é que a menina não gostava de ler, ela lia, mas só quando achava necessário. Talvez, seja isto que acontece com a gente, que é criança ou adolescente. Vou pensar melhor se não é o caso de começar a ler mais, mesmo, sem ser obrigado por conta do colégio ou por que os meus pais querem. Talvez seja legal, quem sabe eu posso ajudar aos meus amigos, como a menina que não gostava de ler, mas leu, fez na história contada pelo meu tio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário